*Cαrtαχiηhα*

Nova versao do blog em http://cartaxinha.blogspot.com Vejam por favor =)

quarta-feira, agosto 30, 2006

Felicidade


Ontem acabei de ler “A Saga de um Pensador” e encontrei uma referência à felicidade que soube logo que tinha de vir parar aqui ao meu blog. Pois então cá vai…

“A felicidade não existe pronta, não é uma herança genética, não é um privilégio de uma casta ou camada social. A felicidade é uma eterna construção. (…)

Houve reis que tentaram aprisionar a felicidade com o seu poder, mas ela não se deixou prender. Milionários tentaram comprá-la, mas ela não se deixou vender. Famosos tentaram seduzi-la, mas ela resistiu ao estrelato. Sorrindo, ela sussurrou ao ouvido de cada ser humano: «Ei! Procura-me nas decepções e dificuldades e, principalmente, encontra-me nas coisas anónimas da existência.» Mas a maioria não ouviu a sua voz, e entre os que a ouviram, poucos lhe deram credibilidade. (…)

Ser feliz é ser capaz de dizer «eu errei», é ter sensibilidade para dizer «eu preciso de ti», é ter ousadia para dizer «eu amo-te».”

segunda-feira, agosto 28, 2006

Métodos de estudo...

Este ano lá foram os exames nacionais… Segundo os meus pais eu tenho um método de estudo muito pouco ortodoxo…
Basicamente só estudava a partir das 15h (embora de manhã normalmente tivesse explicação… adivinhem lá de que disciplina…), tinha o MSN ligado a tarde toda, às 18h ia ter aula de condução (a minha pausa Kit Kat), voltava e ia estudar até às 21h… Ou seja, estudava cerca de 4h por dia (descontando o tempo que não estudava por estar a caminho da aula ou a caminho de casa e a pausa para lanchar).
A crise é esta: não conseguia estudar mais do que isto… Não disse nada a ninguém durante essa altura (e agora é a primeira vez que estou a revelar isto), mas acho que fiquei a um Danoninho do início de um esgotamento… Oba oba…
Ter a noção de que não me conseguia concentrar como devia (não gostar de estudar também ajuda a não concentrar, mas nessa altura a falta de concentração estava a abusar), não me conseguir lembrar dos nomes de coisas (tipo séries de TV ou nomes de pessoas… tinha de fazer um esforço enorme quando via um videoclip para me lembrar do nome do grupo ou do próprio nome da música…).
Basicamente o que me servia para espairecer eram as aulas de condução e as idas à Frize na Cafetaria…
O ano foi do pior para mim em termos de esforço… A lutar contra a minha própria média, acabei por exagerar um bocado no esforço que fiz para tentar entrar no que quero. Segundo o meu irmão, se ele gastasse metade do tempo a estudar que eu passava de volta dos relatórios, só tirava boas notas.
Sei que podia ter feito muito melhor do que fiz nos exames (e o raio do 15 a química, que é uma das minhas específicas), mas acho que se tivesse estudado mais, tinha dado bronca.
Além de que cheguei ao dia antes do exame de química a desesperar por completo e a dizer que não ia conseguir… felizmente houve alguém que me abriu os olhos, disse para me deixar de parvoíces e pôr-me mas era a estudar… Sorte a minha de ter tido alguém que me chamou parva a tempo… ou tinha dado bronca.
E pronto, aqui está a minha confissão do porquê do método de estudo tão criticado na minha casa… E o porquê da necessidade crónica de sair de casa para ir à Frize ou à aula de condução… Não é muito bom, mas pronto… Foi a única maneira de não dar em maluca este ano, apesar de provavelmente ter comprometido a minha entrada no curso que quero… Mas isso é o menos… Prefiro estudar em Lisboa e ter a cabeça em bom estado do que estudar no Porto e ter os fusíveis todos queimados…

Desportistas e futebolistas


Estava eu ontem à noite a ver a entrega dos prémios Emmy quando o programa vai para intervalo. Decidi, então, fazer o típico zapping pelos canais da Cabo… Parei num canal qualquer da SIC (já não sei bem qual porque já eram quase 4h da manhã e eu já não estava propriamente com os olhos muito abertos) e estavam a dar os nomeados para os Globos de Ouro na categoria de desporto.
Pois que foi nessa altura que eu abri um bocadinho (mas só mesmo um bocadinho) mais os olhos quando vi as subcategorias… Se não me engano, existem três subcategorias em desporto… Melhor desportista (faz sentido, não é?), melhor treinador e melhor futebolista.
E eu que pensava que os futebolistas eram desportistas… Mas como já disse, eram 4h da manhã, e eu podia não estar a ver bem a coisa… então decidi pegar na Enciclopédia Verbo (isto hoje é só patrocínios… TV Cabo, SIC, Verbo… eu devia começar a ganhar à comissão) para ver a definição de desportista:

Desportista: amador de desportos; pessoa que os pratica.

Da última vez que verifiquei, o futebol era um desporto… Então porque se justifica que um desporto, em três subcategorias, tenhas duas só para si, enquanto os outros desportos lutam por um lugar entre os quatro nomeados da outra?
É compreensível, de certo modo, que façam uma categoria para melhor futebolista, ou os outros nomeados para melhor desportista não teriam hipóteses contra um futebolista…
Mas o que eu estou aqui a criticar é o princípio por que este país se rege… De entre tantos desportos (desportos de base, de equipa, artes marciais, individuais, desportos de neve e gelo, náuticos, desportos de ar livre e desportos radicais… isto só para não discriminar desportos em detrimento de outros), porque hão-de dar tanto destaque ao futebol e nada ao resto??
Temos campeões mundiais, campeões europeus, recordistas, medalhados nos olímpicos… e damos destaque a quem? Aos futebolistas… Hey, não me interpretem mal… Eu deliro absolutamente com a nossa selecção, sou completamente variada e não regulo… Que o diga quem via os jogos comigo… (coitadinho do meu cachecol… eu numa ponta, a Loira ou o João na outra… e ele acabava todo torcidinho…).
A única coisa que tenho mesmo contra é darem esse tipo de apoio só ao futebol… com tantos campeões noutras modalidades, que se esforçam o triplo para conseguirem um décimo dos apoios que os futebolistas têm, seria de esperar um pouco mais de consideração.
Pior é pensar que as únicas pessoas que se dão conta do esforço que estes atletas têm de fazer são as que se relacionam com eles. Eu própria não tinha noção antes de me começar a dar com o namorado da minha Lilocas, o Fábio, que o ano passado foi campeão nacional de ciclismo, e com o João, que é triatleta, e foi apurado para os mundiais deste ano.
E temos sempre o exemplo dos Paralímpicos… Os Jogos Olímpicos passavam o dia inteiro (ora na RTP1 ora na 2), com provas onde não entravam portugueses (eu não tenho nada contra passarem provas dos outros países, mas é só mesmo para ajudar o meu próximo raciocínio). Os Paralímpicos passavam umas escassas 2 ou 3h por dia na 2, e algumas das provas dos portugueses não passaram… Nós temos medalhados nos Paralímpicos (cerca de três vezes mais do que nos Olímpicos) e ninguém quer saber…
E pronto, cá fica o meu protesto do dia… Esperando que se torne o protesto de muitos mais e que consigamos mudar alguma coisa neste país, que se andasse mais devagar
fazia marcha-atrás…

sexta-feira, agosto 25, 2006

Universidade

Estamos a dia 25 de Agosto... Faltam (deixem-me só fazer as contas num instantinho) pouco mais de 24 dias para saber o que vou fazer à minha vida no próximo ano.
Há um ano atrás pensei que ia estar a festejar pela chegada deste dia... finalmente a universidade! Não é que não esteja contente, porque estou... mas esta pequena vitória na minha vida traz um sabor amargo... A malta que não vai para a universidade.
E quem não me conhece muito bem provavelmente dirá "Sim, claro, vais para a universidade e não fazes a festa porque há malta que fica cá... Pois claro, estou mesmo a acreditar!". Mas quem interessa (ou seja, quem me conhece verdadeiramente... os meus amigos) sabe que não é assim. Sabem que a pior coisa que me pode acontecer é ver um amigo triste, quanto mais a quantidade deles que vejo por causa de não entrarem na universidade este ano...
A luta de alguns já dura há algum tempo, a luta de outros começou pela primeira vez este ano, mas fico triste por todos, porque sei os sonhos que queriam realizar e que foram adiados por um ano. A grande maioria por causa da matemática...
Eu sei que é muito fácil para mim falar... Tenho a vida resolvida e não passei pela experiência (como já algumas pessoas me disseram quando tentei ajudá-las no momento em que estavam mal). Mas a verdade é que se eu pudesse, por artes mágicas, fazer com que toda a gente entrasse, eu fazia. Tenho a perfeita noção de que não sei aquilo por que estão a passar, e que provavelmente uma pessoa que compreenda a situação por estar lá é capaz de ser melhor, mas eu faço os possíveis...
Só peço uma coisa... Não desistam... Por mais que custe, lutem pelos vossos sonhos e se for preciso alguma coisa, sabem onde me encontrar...

quarta-feira, agosto 16, 2006

Melgas com hora marcada


Estando eu cheia de dores de cabeça por causa da constipação que resolveu armar-se em gripe, e há duas horas a tentar adormecer sem sucesso, vai que estava mesmo mesmo a aterrar… subitamente oiço o barulho que me é familiar… a malvada da melga que nos últimos dias me tem vindo chatear sempre à mesma hora… das 2h às 3h. Nem mais um minuto nem menos um minuto… Começo a desconfiar que tem hora marcada para me vir chatear…

Pois que quando a dita cuja se decidiu ir embora, fiquei a pensar numas coisas, já que a desgraçada se encarregou de me tirar o sono… As melgas têm muitas semelhanças com as pessoas… primeiro que tudo, são só as melgas (e não os “melgos”) que picam as pessoas… Já na minha vida as coisas têm tendência para ser assim… Umas quantas melgas gostam de picar… e o pior é que picam pelas costas, para ninguém ver e para fazer de conta que não foi nada…

Acho que se fossem os melgos a picar a coisa seria bem mais simples… chegavam ao pé de nós, e em vez de andar a fazer barulho durante uma hora para depois nos picarem, davam logo ali a picada mesmo à nossa frente e iam embora. Assunto encerrado.
Mas como são as melgas que picam, acho que se ficam mesmo por ali… chateiam, besouram aos ouvidos e tudo isso para nos picarem no fim… Mazinhas, hem?

A minha música

Sim... eu tinha mesmo de vir aqui pôr esta música... estou toda e completamente viciada nela e acho sempre bom apostar na boa música portuguesa (que neste momento não anda pelos melhores dias em termos de apoio... eu tive de ir ao Porto para conseguir encontrar o CD dos Gota... e não comento mais...). Apreciem, viciem...

"Viaja em Mim" - Gota

Abre a minha alma, decifra o meu mundo.
Entende a minha língua, rouba-me tudo.

Por um momento descobre-me
Por um momento viaja em mim.

Toma-me o rosto, canta o meu fado.
Num abrir e fechar de olhos lê o meu passado.

Por um momento descobre-me
Por um momento viaja em mim.

Deita-me no leito da tua memória
Guarda o segredo, escreve a nossa história.

Dá a tua mão
Reflecte o olhar, não preciso de falar.
Palavras não há em momentos de prazer.
Chama o meu nome para voltar do longe.

O meu mundo Disney

Sempre gostei dos filmes da Disney… Os maus têm cara de maus, os bons têm cara de bons e a história acaba no invariável “e viveram felizes para sempre” (excepto provavelmente na Pocahontas, em que o pobre John Smith volta de padiola para Inglaterra… mas a coisa resolve-se na Pocahontas 2, e acabam também por viver felizes para sempre, embora com um filme de atraso).
Nos filmes da Disney é tudo muito claro… uma pessoa olha e diz logo “esta é a bruxa má” ou “esta é a menina que vai casar com o príncipe”. E pronto, ficamos logo felizes, porque sabemos que tudo vai acabar bem para os bons e os maus vão ser castigados… e encaramos o filme como uma jornada para a felicidade dos bons.
Quanto ao mundo real, não se resume (infelizmente) a bons e maus, a preto e branco. Há demasiados tons de cinzento na vida. Não se sabe quem são os bons ou os maus, ou se existe realmente o verdadeiro conceito de bem ou mal, porque as situações têm normalmente mais que um ponto pelo qual podem ser vistas. Não se sabe à partida que os bons vão viver felizes para sempre, até porque “felizes para sempre” não existe.
Às vezes apetece-me virar uma personagem deste mundo Disney… Mas também, qual seria a piada de viver sabendo o desfecho final, sem nada que pudesse tornar-se novo, sem as voltas e reviravoltas da vida que acabam por lhe dar o gosto especial de viver cada dia sem saber o que nos espera?

O senhor Walt Disney fez-nos o favor de nos pôr a acreditar no sonho e na felicidade. Agora o que temos de fazer é viver.